sexta-feira, 31 de agosto de 2012


O que é en dehors? Como faço para ter?

   Olá, bailarinos e bailarinas. Hoje venho falar do tão desejado en dehors dentre os bailarinos.  Vou começar com uma pequena termologia sobre o que en dehors e depois alguns exercícios bem simples que podem te ajudar para o melhor desenvolvimento do mesmo. 
                
            Termologia do Balé 

Letra: D
 Dehors (En):  En dehors é literalmente traduzido como: para fora . Basicamente é manter os calcanhares, joelho e coxas viradas para fora durante a execução dos exercícios. Porém, manter esta posição não é nada fácil, pelo contrário , é trabalhoso. É necessário uma boa colocação do quadril, pernas, coxas e uma excelente postura. Ou seja, considerando que necessita-se de tudo isso, o en dehors é a base para tudo no balé.
Bailarinas muito novas no balé, normalmente tem uma dificuldade com o en dehors no começo, nada que muita dedicação e treino não melhore. Para isso é necessário que se consiga a rotação do fêmur.
Uma outra coisa fundamental no en dehors é com certeza o encaixe do quadril, (mais adiante farei um post mais detalhado à respeito) sem este não teremos uma rotação do fêmur adequada. 
en dehors como podem ter notado, é questão de detalhes, como por exemplo, o encaixe correto do quadril, ocasiona a rotação adequada do fêmur e assim por diante … 
         
         Como podem notar, nesta imagem, o joelho de base e Svetlana está virado para fora. Ou seja: tudo no balé pode ser feito em en dehors.

       Alguns exercícios que podem melhorar seu en dehors 

   Não há exercícios que de certo irão melhorar seu en dehors , aqui vão alguns exercícios que podem melhorar a rotação do seu fêmur, e isso depende dos seus limites e da sua força de vontade. 
  1.  Borboleta 

Pois é, a famosa “borboletinha” que nos ajuda desde os primeiros dias de balé. Porém, dessa vez um pouco mais intensa. Fique “batendo” borboleta por um tempo, e depois vá à forçando o máximo que conseguir, tentando encostar no chão, em seguida, tente encostar o peito nos pés. 
                         mercado imobiliário mercado imobiliário mercado imobiliário
2.  Sapinho

Mais um exercícios muito famoso e útil no balé, é o sapinho, também é o melhor para o en dehors . Deite-se com o abdome voltado para o chão e vires os calcanhares, joelhos e coxas em en dehors. E depois puxe-os como se fosse “fazer” borboleta só que voltada para o chão. Como na imagem abaixo. E o bom é que pode fazer, vendo TV , ou mexendo no notebook, enquanto outra pessoa estiver ensaiando … Em diversos momentos. Faça com frequência.
                     
3. Assim como os dois exercícios acima, qualquer execício que faça com as pernas, calcanhares e coxas em en dehors estarás forçando. Exercícios paragrand écart também podem ajudar.
Veja esses links:
Link 1              
Link 2   
4. Como última e boa dica. É simples mas não tão fácil. Em qualquer exercício que estiver praticando, tente virar seu en dehors ao seu máximo mas não forçando demais. 
   
Importante:   É errado e perigoso forçar demais a rotação dos calcanhares, joelhos, coxas e fêmur. Com tempo a pessoa pode sentir muitas dores e até chegar a sofrer problema nos tendões, por contar de um peso numa região como o joelho. Com o tempo praticando o balé, você irá descobrindo seus limites. SEM EXAGEROS! 
                                               Beijos , até o próximo post! 
                                    Gif de Bailarina

“Minha vida no ballet” Apresentando: Camila Oliveira.

  
Camila: “Bom minha história no ballet não é espetacular como a de muitas, mais afinal história é como vida cada uma tem a sua não é mesmo.
Desde pequena eu queria fazer ballet, mais por não ter condições financeiras pra isso eu não iniciei as aulas, com 13 anos fui chamada a fazer dança de salão, pois a professora do meu irmão estava precisando de uma pessoa pra completar o quarteto pra dançar fora da cidade em uma semana, muitos duvidaram que conseguisse por questão da timidez, ensaiei todos os dias e consegui. Depois de um tempo falei pra minha mãe que ia tentar algo no ballet, fui falar com um professor num projeto aqui perto da cidade e lá consegui entrar, esse professor me indicou a duas outras escolas, e lá consegui bolsa. Estou ate hoje nas três escolas, feliz a cada dia que passa, agradeço a Deus primeiramente por me abrir as portas e a todos que acreditaram em mim.
Já precisei ficar parada por 2 meses por conta do pé que havia machucado, mais na real foram os piores dias da minha vida, longe do ballet, nunca mais quero passar por isso novamente.
O balé pra mim não é um hobbie simplesmente, ballet é opção de vida, é amor, é tudo e é o
que quero seguir, não importa o que falem, já passei por muitos preconceitos e passarei pelos próximos, ninguém entenderá esse amor que tenho.Bom minha história esta muuuuuuuito resumida aqui, não dá para escrevê-la toda, mais é isso ai vamos sonhando a cada dia mais, beijos bailarinas”
                                       por: Camila Oliveira.

Instruções - Sapatilha de Ponta para Iniciantes: Técnicas de limpeza e conservação da sapatilha de ponta.

          
         Há diversas maneiras de manter sua sapatilha limpa e conservada . Porém, primeiro falarei de algumas precauções que sempre é bom tomar: 

  • Só use sua sapatilha em pisos apropriados como linóleo e o de madeira, isso é para não desgastar ou sujar demais o cetim, além de prevenir escorregões e assim possíveis ou futuros machucados. 
  • Limpe as suas pontas com frequência. 
Abaixo irão ver algumas dicas de como mantê-las sempre limpas:
               Passo-a-passo

Bom, o produto que eu sempre uso é: “Veja multi uso”, (O azul de tampinha vermelha) provavelmente sua mãe deve usar em casa, é muito eficaz. Porém, caso não, é bem baratinho, menos de 3 reais. 
  • Pegue uma escova (pode ser uma escovinha de dentes velha), umideça numa mistura desse veja com água e esfregue bastante até que fique limpa, porém esfregue de leve para não “estragar” o cetim da sapatilha. 
  • Logo após cumprir o passo acima, ponha a sapatilha em área que pegue luz do sol e depois de secas pode-se voltar ao seu uso normal. 
 Agora nessa outra dica o produto utilizado será o álcool e um paninho, apenas. 
  • Pegue um paninho velho e ponha álcool, depois esfregue na sapatilha. O álcool não limpa a sapatilha, apenas camufla a sujeira. 
  • Depois pegue “giz” de marcar roupa, e passe na sapatilha até a cor ficar homogênea. É bem trabalhoso e deve-se ser feito na hora do espetáculo.
  Já pensou também em maquiar suas sapatilhas?    
Pegue pó e passe na sapatilha, o pó deve ser da mesma cor e tonalidade. Isso não limpa, da a idéia de estar mais limpa!
Dicas para melhor conservar sua sapatilha de ponta 
Alterne os pés da sapatilhas 
Toda bailarina deve saber que a sapatilha de ponta não tem um pé direito e um pé esquerdo, por isso, trocar seus pés a cada aula, dobra sua vida útil. Principalmente quando se tem um pé pouco mais forte que o outro. Porém, se for o caso de ter um pé completamente mais forte que o outro, isso não será útil.
Controlando a umidade de suas sapatilhas 
Durante a execução das aulas e ensaios, os pés suam muito, o que diminui a durabilidade da sapatilha de ponta, pois os materiais usados nas sapatilhas são bem absorventes.
  • Primeiramente, evite usá-las sem meia-calça.
  • Após a aula, coloque papel toalha na caixa da sapatilha. 
  • Sempre quando chegar em casa, ponha-as em lugar ventilado.
  • Caso more em lugar frio, pode pendurá-las perto de um forno ou até mesmo atrás da geladeira. Algumas bailarinas chegam à colocar a sapatilha dentro do forno, mas eu acho que não seja necessário.
  • Sempre desfaça as rugas do cetim durante a secagem. 
  • A secagem deve durar um dia inteiro dependendo da temperatura.
                 
       Conserve com todo o cuidado e carinho 
Algumas bailarinas, costumam colocar a sapatilha dentro da bolsa simplesmente “jogadas”, mas não, o correto seria, dobrá-las no calcanhar e enrolar as fitas nele. Assim, preservará o formato das sapatilhas e também as fitas. 
Se manter as sapatilhas guardadas por muito tempo, tome cuidado para que elas não sejam corroídas por insetos. Isso acontece. Tome cuidado!  Deixe a sapatilhas em lugares bem frios no inverno e bem secos no verão. A umidade pode criar fungos, tenha atenção. 
                       
     Faça rodízio de sapatilhas
Se for possível, deixe sempre dois pares de sapatilha em esquema de rodízio. Enquanto um par estiver indo de acordo com o esquema de controle de umidade, pode usar os outros em aula. E assim, vá alternando as sapatilhas à cada aula e vá trocando a cada uma hora de ensaio. Esse esquema de rodízio e mais o controle de umidade, aumenta 50% a durabilidade de sua sapatilha. 
Faça uma costura especial na plataforma de sua sapatilha
Fazer uma “borda” na plataforma na sapatilha, é bem comum em outros países. No Brasil, poucas bailarinas tem o costume de fazer essas bordas, até porque é uma coisa bem complexa, são usadas agulhas e linhas mais grossas e também um alicate. O “não saber fazer” pode causar o estrago da sapatilha, porém, fazer essa costura, evita que o cetim se rasgue com facilidade e da também uma maior estabilidade, pois a plataforma da sapatilha sofre um pequeno aumento. 
    Então, este é o fim das “Instruções - Sapatilhas de pontas para iniciantes”, aguardem os próximos posts e peçam mais dicas, sempre será um grande prazer ajudar!  
                              Gif de Bailarina
                                                 Beijos! Até .. 
                                                     Izabella Aquino.

Ainda Hoje ... (31 de Agosto de 2012)


  • Imagens e gifs.
  • Última parte do post de sapatilha de ponta para iniciantes.
  • Um novo post sobre o que é "en dehors" e como adquirir.
  • Minha vida no balé com Camila Oliveira. 

sábado, 25 de agosto de 2012


Instruções - Sapatilha de Ponta para Iniciantes: Como amolecer sua sapatilha nova

       Nesta segunda parte, iremos trabalhar em um texto que vai indicá-los uma forma de como amolecer uma sapatilha nova de forma correto. 
                          
  Depois de encontrar a sapatilha correta para seu pé, você precisa amolecê-la para que e enquadre no formato seu pé e também melhore a flexibilidade dela para seu maior conforto e para a execução dos passos. 
Algumas bailarinas, gostam de amolecer a sapatilha somente na mão, mas isso é errado assim ela poderá amolecer nas áreas erradas e não se adaptará à seu pé.
O que você deve fazer: 
  • Caso a sapatilha esteja muito resistente e dificultando a forma de amolecer apenas nos pés, use as mãos , mas sem forçar muito. Esses amolecimentos com a mão, devem ser feitas de forma suave, com uma movimento de curvatura no arco da sapatilha; você pode também, colocar as mãos na sapatilha como se estivesse calçando e ficar fazendo “meia-ponta” com as mãos. Tudo de forma suave
  • Feito isso, (apenas uma vez está bom) vamos partir para um amolecimento mais sério que é o dos pés:
  1. Na barra, em primeira posição, pode fazer elevés lentamente, passando e forçando na meia-ponta, até chegar nas pontas e equilibre bem seu corpo e mantenha sempre uma boa postura. Uns vinte em cada perna está bom.
  2. Ainda na barra, faça coupé , e elevé na perna de base. Repita umas 10 vezes , talvez isso também implique no desenvolvimento de sua força. 
  3. Faça um degagé a la séconde e transfira o peso para o pé esticado.  Obs:  Faça a mesma quantidade em ambos os lados.
  • Porém, o melhor é sempre fazer: Elevé com plié. Sempre passando pela meia-ponta.
   
Neste vídeo, tem algumas dicas para pré-amolecimento das pontas, assintam!  
  Bom , essa é a segunda parte, espero que seja útil para vocês! Pratiquem e lembre-se sempre: “O que importa não é a variedade de exercícios e sim a frequência com que são feitos.”
                                         Obrigada e beijinhos! :*
                                   
                                                    Izabella Aquino. 

Ainda hoje ... (25 de Agosto de 2012)

Hoje ainda teremos:

  • Imagens e Gifs de repertório.
  • "Minha vida no ballet" com Hadassa Costa. 
  • Segunda parte do das: "Instruções para iniciantes de ponta - Como amolecer sua sapatilha" 
  •  E vídeo das variações:
  1.  Harlequinade. 
  2. Princesa Florine. 
                                                                Beijos.   Até daqui a pouco.
                                              

quarta-feira, 22 de agosto de 2012


Instruções - Sapatilha de Ponta para Iniciantes: Como escolher sua sapatilha.

   Nessa primeira parte, vou citar as melhores formas de conseguirem comprar a sapatilha de ponta correta. 

Para subir na ponta …
Não se afobe!   Isso não ajudará em nada.  Para subir na ponta, seus pés e pernas devem estar bem trabalhados e preparados. A bailarina deve ter sido bem treinada e bem indicada por sua professora para que se consiga ter uma boa musculatura e força necessária nas pernas para que possa se sustentar na ponta. Por isso, não se tem uma ponta certa de início. Tudo tem que ser analisado para cada bailarina em especial. Cada pé é único.  É preciso saber escolher. Na sua primeira compra, eu recomendo que vá com sua professora ou com uma amiga mais experiente. Tanto é, que tem bailarinas que compram suas pontas na própria escola … Então aí vão umas dicas … 
                      
  • Peça para a vendedora que lhe ofereça sapatilhas para iniciantes (como podem haver vendedoras sem conhecimento desse assunto, é bom ir com uma recomendação de sua professora). Eu em minha cabeça, recomendaria a Capézio Partner 180, mas cada pé é único. As sapatilhas para iniciantes devem ser mais maleáveis e apenas com o passar do tempo ir avançando para sapatilhas mais duras, sempre de acordo com o seu desenvolvimento nas pontas e com sua técnica. O começar com sapatilhas mais duras, pode te dar dificultar demais no começo e desenvolver-se força demais, o que causará um gasto horrendo com sapatilhas.
  • Quando for escolher o número, escolha: 1, 1.5 ou 2 números acima do seu número para sapatos comuns. O número das sapatilhas de ponta é assim, mas eu recomendaria apenas um número a mais, assim não fica nem apertada e nem larga.
  • Para saber se aquele número é o certo para você, calce-a e faça um grand plié , se a sapatilha sair de seu calcanhar quer dizer que ela está muito folgada; se sentir seu peso mal colocado nos pés ou os dedos muito exprimidos, quer dizer que está apertada demais. A sapatilha certa será a que você consegui subir sem sentir nenhum desses sintomas acima.Quando for experimentar, sempre use meia-calça e ponteira.
  • A sapatilha boa e aquela que é confortável, não se engane.
                        
                                                   Continua … 
  
  


Ask mandada para nosso tumblr ...


Anônimo
o peso importa para começar a fazer a aula de bale?
Depende muito, querida.  Por exemplo, uma bailarina deve ter o peso ideal, nem abaixo e nem acima do peso.  Não é exatamente que o peso importe para o ballet e sim para sua segurança no ballet!  Porém ´uma coisa que uma boa alimentação resolve. Beijos e obrigada pela visita.
                                                                    Izabella Aquino .
                              


                                             O mundo dos bailarinos. 

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

2° Especial de Repertório ...

     Novamente deixarei na mão de vocês escolher qual será o repertório citado aqui!  A enquente será aberta novamente. Desta vez entre ...

  • A bela adormecida.
  • O lago dos cisnes
  • Giselle
   Votem! Votem! Votem. Aceitarei votos em comentários.   Ou seja, votem na enquete e aqui em baixo também :D
(Imagem: Ballet "Giselle", 2° ato.)
         

1° Especial de repertório ... "O quebra-nozes" (Segunda parte)



ATO I:
Composto por dois senários diferentes:  A casa do presidente durante a comemoração do Natale o mundo da fantasia em que o Quebra-Nozes à leva, que acaba se prolongando sobre o segundo ato.
O primeiro senário é composto por sete "cenas" diferentes, antecedidos por uma Ouverture orquestral:
1. A árvore de natal. As cortinas se abrem e nos deparamos com uma a da residência do presidente do Conselho Municipal de Nuremberg, uma noite de Natal que acontece no início do século XIX. Os pais de Clara e Fritz (as crianças) terminam toda a decoração da árvore que vai se iluminando com a multidão de luzes e enfeites. As crianças fazem sua entrada com seus amigos e recebem seus presentes.
2. Marcha. As crianças colocam suas roupas "especiais" e marcham pela sala.
3. Brincadeiras das crianças e a chegada dos convivas. As crianças participam de uma dança cheia de alegria, que se transforma em uma polonaise majestosa no momento da chegada dos convidados, retomando uma melodia infantil bon voyage, cher Dumouller. Esta canção interrompe-se brutalmente para dar lugar à próxima cena.
4. Cena de dança e a chegada de Drosselmeyer. A música assume um ritmo alegre e agitante e a entrada do conselheiro Drosselmeyer, que é o padrinho de Clara. Sua atitude estranha cria um nervosismo entre as crianças da festa. Mas seus familiares pegam as crianças e explicam quem é a pessoa que acaba de entrar, e dizem que ele é gentil e que veio lhes trazer mais alguns presentes. As crianças decepcionam-se ao ver que ele não traz nada do que eles esperavam, mas descobrem que ele traz um soldado de pano, mostrando-lhes que ele pode dançar.
5.Cena e dança dos avós. Clara e Fritz estão contentes pela diversão e desejam que todos participem, mas seus pais decidem que vão divertir não só as crianças, mas também os convidados. Clara decepciona-se e Fritz fica bravo. Drosselmeyer restabelece a situação dando-lhes um presente, um boneco quebra nozes, após mostrar às crianças como funciona, Drosselmeyer o dá a Clara. Fritz tenta tirá-lo de sua irmã e seu pai exige que ele deixe que ela brinque com o boneco. Fritz quebra o quebra nozes, jogando-o ao chão. Clara fica triste e Fritz chama seus amigos para uma nova dança ao som de trompetes e tambores. O pai termina com a festa, anunciando a Grossvatertanz – dança vigorosa com sentido folclórico alemão do XVII século que tradicionalmente é tocada nos finais de bailes.
6.Cena: início do encantamento. Os convidados retiram-se. Logo que tudo se acalma, Clara retorna para o salão para ver seu quebra nozes. à meia noite soa o relógio, e quando Clara observa o relógio, vê o velho Drosselmeyer. Assustada corre para todos os cantos. Neste momento a árvore de Natal aumenta de tamanho misteriosamente e o soldado de pano surge na sala em tamanho natural, se reanimando, desfila pela sala.
7. Cena: a batalha entre o quebra-nozes e o rei dos ratos. Pequenos ratos aparecem sobre a forma de um exército para se digladiarem com os soldados de pano, Clara surpresa e assustada, pula em cima de uma cadeira da onde assiste uma verdadeira batalha entre os ratos liderados pelo seu rei e os soldadinhos de chumbo de Fritz liderados pelo Quebra-Nozes. Os ratos, mais numerosos, estavam ganhando a luta e quando o rei, aproveitando uma queda do boneco aproxima-se para matá-lo, Clara sai de onde está e atira sua sapatilha de ballet em cima dele. Surpreendidos por este ataque, os animais ficam confusos e começam a se retirar, dando a vitória aos soldados.
O segundo quadro compreende duas partes que se apresentam sem interrupção:
8. Cena: na floresta de Pinus (viagem pela neve). Clara e seu Príncipe viajam para Konfitürenburg, o reino das guloseimas, guiado a través da floresta de Pinus, coberta de neve, e por Gnomos empunhando tochas que os cercam constantemente).
9. Valsa dos flocos. O Rei e a Rainha dos Flocos de Neve recebem Clara e o Príncipe com uma dança – com diversos motivos – sobre uma passagem de valsa, a mais simples mas também muito bem elaborada, Tchaikowsky adiciona um coro feminino que vocaliza reforçando o suntuoso acompanhamento orquestral.

ATO II
Tem por cenário o reino de guloseimas sendo um longo quadro. A grandiosidade honra a Clara no Castelo Mágico. É composto por seis cenas, sendo que o divertimento também é dividido em outras seis partes.
10.O catelo mágico. Clara e seu Príncipe vem ao castelo mágico situado sobre o Mont Bonbon no Royaume des Friandises. Abrem-se as portas e são acolhidos por Fee Bonbon em sua suíte.
11. Clara e o Príncipe. Na grande sala do Castelo Mágico, iluminado por lanternas, o Príncipe conta a aventura que o levou a salvar Clara. Todos participam de um banquete e o espetáculo oferecido a Clara. O som magnífico das flautas contribuem para propiciar á orquestração desta cena um colorido extraordinário.
12. Divertimento. Inicia-se por uma seqüência de danças de caráter, executadas principalmente em diversos estilos nacionalistas que são representadas.
-Chocolate:dança espanhola. Um bolero estilizado destacando-se um solo de trompete e castanholas.
-Café: dança árabe. Aqui foi incorporada uma canção folclórica da Geórgia pontuada de acentos originais no tamborim, propiciando ao trecho um aspecto misterioso.
- Chá: dança chinesa. É uma das passagens mais curtas, mas também uma das mais belas por seu colorido, graças ao metal da flauta e ao acompanhamento galopante.
- Trepak. O tema desta dança russa, interpretada por três bastões de açúcar de cevada e tocada por toda a orquestra.
-Dança das flautas. Dança pastoral executada por três pastorinhas de patê de amêndoas, representada cada uma por uma flauta. Originalmente esta dança chamava-se de Danse des Mirlitons.
-Mãe Gigogne e os palhaços. Um episódio cômico colocando em cena uma “vieille femme qui habitait dans un soulier” (uma velha senhora que morava num sapato) foi colocado ao final do divertimento. No início Mère Gigogne é rodeada de palhaços dando cambalhotas. Na sessão central, a melodia é tirada de uma canção infantil francesa – Cadet Rousselle – as crianças saem de quatro debaixo do grande vestido e interpretam sua própria dança, voltando a se esconder, e os palhaços encerram a seqüência numa grande alegria.
13.Valsa das flores. É uma das mais magníficas valsas escritas por Tchaikovsky. É executada por membros da suíte de Fée Bonbon em homenagem a Clara.
14. PAS DE DEUX. No estilo do ballet clássico, este episódio divide-se em quatro partes:
Dança  : Dança do Principe e da fada confeitada.
-1° Variação: Tarantelle. Dança solo do Príncipe.
- 2° Variação: Dança da Fada confeitada. Aqui se ouve o famoso solo de Celesta, trecho escrito também para instrumentos de sopro, onde se ouve o Clarinete baixo de forma original.
-Coda. Dançada pelos dois partenaires.
15. Última valsa e apoteose. O adeus afetuoso a Clara por parte de toda a companhia. Quando a valsa chega ao seu ápice, ouve-se a música do Castelo Mágico do início do segundo ato. A Fée Bonbon convida a todos para um último gesto de homenagens e de adeus.


-Chá: dança chinesa. É uma das passagens mais curtas, mas também uma das mais lindas e encantadoras do repertório, graças ao metal da flauta e ao acompanhamento galopante.

- Trepak. O tema desta dança russa, interpretada por três bastões de açúcar de cevada e tocada por toda a orquestra.

-Dança das flautas. Dança pastoral executada por três pastorinhas de patê de amêndoas, representada cada uma por uma flauta. Originalmente esta dança chamava-se de Danse des Mirlitons.

- Mãe Gigogne e os palhaços. Um episódio mais descontraído e engraçado colocando em cena uma “Uma velha senha que morava num sapato” foi colocado ao final de toda a diversão. No início Mère Gigogne é rodeada de palhaços dando cambalhotas. Na sessão central, a melodia é tirada de uma canção infantil francesa – Cadet Rousselle – as crianças saem de quatro debaixo do grande vestido e interpretam sua própria dança, voltando a se esconder, e os palhaços encerram a seqüência numa grande alegria.
13. Valsa das flores. É uma das melhores e mais conhecidas valsas escritas por Tchaikovsky. É executada por membros da suíte de Fée Bonbon em homenagem a Clara.


14. PAS DE DEUX. No estilo do ballet clássico, este episódio divide-se em quatro partes:

-Dança do Príncipe e da Fada confeitada.


- 1° Variação: Dança solo do Príncipe.


- 2° Variação: Dança da Fada confeitada: Aqui se ouve o famoso solo de Celesta, trecho escrito também para instrumentos de sopro, onde se ouve o Clarinete baixo de forma original.

- Coda. Dançada pelos dois partenaires.

15.Última valsa e apoteose: O adeus afetuoso a Clara por parte de toda a companhia. Quando a valsa chega ao seu "ponto final", ouve-se a música do "Castelo Mágico" do início do segundo ato. A Fée Bonbon convida a todos para um último gesto de homenagens e de adeus.
Curiosidades:
  • Escrito em São Petersburgo e apresentado a 18 de Dezembro de 1892
  • Balé em dois atos, com coreografia original de Marius Petipa (1818-1910), contém uma das músicas mais conhecidas de Tchaikovsky.
  • A princípio Tchaikovisky não quis aceitar o trabalho e o considerou muito inferior a "Bela Adormecida".
  • O ballet está dividido em apenas dois atos que são tem tempos quase iguais, compreendendo um total de quinze partes dançadas, precedidas de uma abertura.
  • Foi a segunda composição de Tchaikovsky para ballet de repertório, e considerada um dos mais perfeitos casamentos entre coreografia e música, pois nenhum dos dois se sobressai em relação ao outro.
  • Estreiou no dia 7 de Março de 1892, com a direto do próprio autor.
Modificações: Izabella Aquino.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Repertório: "O quebra-nozes" ... (parte I)


Especial de repertório … (parte I)

           
Agora apresentando o “quebra-nozes” , ofereceremos:
  •  A história do “Quebra-nozes”
  • Atos e Curiosidade (quem compôs , quem coreografou…)
  • Imagens.
  • E, no fim, um vídeo completo do espetáculo. 
Obs.:  Esse texto não foi feito por mim, mas foi o melhor que encontrei . Espero que desfrutem!

                 A história … 
a festa de Natal passa-se na casa da família Stahlbaum. Como todo o mundo, na noite de Natal as pessoas se reúnem para comemorar a data. Na sala de Clara uma enorme árvore de Natal ricamente decorada e iluminada. Seu irmão Fritz e as crianças se divertem, enquanto que seus pais recebem os convidados.
Entre os convidados, seu padrinho Drosselmeyer, que era adorado por todas as crianças, que ao vê-lo largam seus brinquedos e diversões e correm ao encontro do ilustre convidado, pois ele traz consigo diversos presentes. Brincando com as crianças, o padrinho oferece repolhos, maçãs e outras frutas e legumes, como se esses fossem os reais brinquedos, o que desapontou todas as crianças, logo trocando-os por uma farda, um cavalo de pau, uma espada para Fritz, uma boneca e uma sapatilha de ballet para Clara.
Depois de algumas danças, o senhor Drosselmeyer, preparou um teatrinho de bonecos, pelo qual foi muito aplaudido. Depois de tanta diversão, chega o momento das despedidas, e apesar das reclamações das crianças que queriam se divertir mais, a hora de dormir havia chegado
Os convidados agradecidos pela noite espetacular, vão se despedindo um a um. Mas Clara recebe um novo brinquedo antes de dormir, um boneco Quebra-Nozes em forma de soldadinho, Fritz enciumado pelo novo presente recebido de Clara, o quebra e seus pais de castigo os mandam dormir. O senhor Drosselmeyer comovido, conserta o boneco entregando-o a Clara que o coloca embaixo da árvore de Natal que só fica com a iluminação da decoração ligada.

Clara não consegue dormir pensando na movimentação da festa, nas brincadeiras, nos presentes e depois que todos já estão dormindo, Clara volta para a sala sem fazer muito barulho, e com o objetivo de ver seu boneco quebra-nozes. Quando se aproxima para pagá-lo, sente que há algo diferente na sala; tudo parece um sonho, quando o relógio bate as badaladas da meia noite, aparece seu padrinho - o senhor Drosselmeyer - como se fosse um mágico, transformando a árvore e a sala, dando ao quebra-nozes o tamanho real de um homem.
De repente, surge no chão um grupo de ratos e Clara, surpresa e assustada, pula em cima de uma cadeira da onde assiste uma verdadeira batalha entre os ratos liderados pelo seu rei e os soldadinhos de chumbo de Fritz liderados pelo Quebra-Nozes.
Os ratos, mais numerosos, estavam ganhando a luta e quando o rei, aproveitando uma queda do boneco aproxima-se para matá-lo, Clara sai de onde está e atira sua sapatilha de ballet em cima dele. Surpreendidos por este ataque, os animais ficam confusos e começam a se retirar, dando a vitória aos soldados.
Reconhecendo o ato de coragem de Clara, como prêmio, seu padrinho transforma o boneco quebra-nozes em um lindo príncipe, que, em agradecimento por ela ter salvado sua vida, oferece-lhe uma grande viagem encantada.
As bolas da árvore de Natal começam a se transformar em flocos de neve, o chão e o teto da sala desaparecem e Clara se vê no País da Neve, cheio de árvores cobertas de pingos de gelo
.
É anunciada a chegada da Rainha das Neves que vem com suas damas e pajens receber os visitantes ao som de uma linda valsa. Clara está encantada e, com sua varinha mágica, a rainha faz aparecer um trenó que desliza por um rio congelado, levando a menina e o príncipe para outro lugar: o País dos Doces. Lá os espera, em um castelo, a Fada Açucarada sentada em seu trono feito de doces de todos os tipos. Ela escuta do príncipe a história de coragem de Clara quando salvou sua vida e, para premiá-la mais uma vez, a fada prepara uma grande festa onde ela poderia comer todos os chocolates de que tanto gostava.
Os doces se apresentam dançando aos convidados e logo é anunciada a Valsa das Flores, em homenagem ao príncipe que se levanta para escolher seu par. Clara pensa que ele vai dançar com a Fada Açucarada, não só em agradecimento pela festa, como também por ela ser uma excelente bailarina, mas o príncipe a convida e os dois saem dançando, formando um belo par. A fada também participa da valsa dançando com o casal por alguns momentos.
No final da música, Clara começa a se sentir sonolenta e tem a sensação de estar mergulhando num macio mar de mel que se fecha sobre a sua cabeça, fazendo com que tudo fosse desaparecendo.
De manhã os pais de Clara se assustam ao não encontrá-la na cama. Descem preocupados ao salão e lá a encontram dormindo embaixo da árvore de Natal, junto com o Quebra-nozes como se estivesse sonhando o mais lindo dos sonhos.

Ela sabe que seu presente de Natal foi uma linda viagem, em forma de sonho, e não apenas um boneco.
 Na parte II … 
  • Atos e curiosidades
  • Show de imagens 
  • E vídeo completo 
                      
                                          Izabella Aquino.